CUIDADOR PROFISSIONAL X CUIDADOR FAMILIAR

(Uma questão de saúde mental)

Muitas vezes o cuidado ao idoso torna-se atribuição de algum familiar mais próximo ou mesmo de um empregado doméstico que concilie a função com outras tarefas. Ainda que por motivação afetiva, e não por imposição, pesquisas apontam para a sobrecarga física e emocional acarretada pela tarefa, incluindo sintomas de ansiedade e depressão.

Assumir a responsabilidade de cuidar requer, além de qualificação técnica e outros atributos específicos, características psicológicas que possibilitem manutenção do seu próprio equilíbrio emocional e do idoso. Além disso, é fundamental que as relações familiares sejam preservadas livres de conflitos, frustrações, desarmonia e estresse para que funcionem como suporte essencial à qualidade de vida da pessoa idosa.

Andréa Stamford – Diretora da Empresa CUIDARE Tijuca

CRP 05/18981

Psicóloga Clínica, Terapeuta Cognitivo Comportamental, com Formação em Neuropsicologia e Extensão em Neurociências

stamford.psicologia@gmail.com

Consultório na Tijuca-RJ